quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Pensamentos Avulsos: Uma hora a gente acorda!

Uma hora a gente acorda e começa a perceber que o mundo não é bem do jeito que a gente desenha na imaginação. E não é tão bom e nem tão mau...
Eu pensei, por anos a fio, que crescer era simplesmente alguns centímetros no batente da porta, que era poder usar salto e sair sem permissão. Pensei que crescer fosse viver sem “esquentar” com as contas no fim do mês e, que era “só” escolher o curso e me matricular na faculdade, simples assim. Faculdade essa que seria cheia de pessoas idênticas aos personagens do “American Pie” (devia ter tirado isso da cabeça já que a escola não era como nos filmes “água com açúcar” da Sessão da Tarde...).
Eu pensei, juro, tive a inocência de achar que só eu diria não e que todas as portas e janelas estariam abertas a minha espera. Achei que aos 15 anos o mundo pararia para me ver e que aos 18 ele estaria em minhas mãos.
Daí surgiu alguém e, adivinha? Pensei de novo! Achei que seria para sempre e ele nunca me faria sofrer. E ele não fez, eu que o fiz...
Pensei que só tinha coisas boas dentro de mim (e das pessoas) e que dominaria com perfeição qualquer atividade que quisesse fazer. Pensei...
E aí, um dia eu fiz mais do que abrir os olhos de manhã e imaginar o dia perfeito que eu teria (e nunca tive!), eu despertei para a vida e foi quando passei do simples processo de pensar para o complicado, doloroso e demorado processo de aprender!
Aprendi que crescer significa somar centímetros no batente da porta e alguns para fora da calça se não me alimentar direito. Que usar salto é difícil, cansativo e chato às vezes e um All Star na bolsa é sempre uma boa solução. #Noglam
Vi que a permissão que tanto queria eu consegui, mas com ela ganhei uma consciência quase tão difícil de lidar quanto o “não” dos meus pais.
Aprendi que preciso “esquentar” com as contas o mês todo e que sempre vai ser assim, viver tem dessas coisas. A faculdade não tem imitações do “American Pie” (graças a Deus!) e as pessoas vão até lá para estudar e... jogar truco! ^^
Recebi uma porrada de “não”, portas fechadas e janelas inexistentes, mas também recebi “sim” de onde menos esperava e reconheço.
Aos 15 o mundo não parou, aos 18 ele nem me reconhecia como habitante capaz. O amor não durou e eu não sou a melhor pessoa do universo, definitivamente. Já magoei, tenho defeitos e nem sei ainda se tenho tantas habilidades assim.
Hoje eu penso e vejo que o mundo seria incrivelmente irritante se fosse como eu “pintava”. “Ser de verdade” significa reconhecer que ele vai além do bem e do mau e isso me tornou verdadeira dentro de um ser chamado “EU”.
Enxergar e viver o mundo como ele é, é a dor mais gostosa que existe.